O Malho e o Cinzel

O malho, ou maço, e o cinzel, surgem na Ordem Maçônica como os instrumentos dinâmicos, de ação conjunta, empregados pelos aprendizes para desbastar a pedra bruta. Esses instrumentos, que simbolizam a razão e a inteligência, embora utilizados de forma associada, tem funções distintas no trabalho de aprimoramento do ser, rumo à perfeição relativa que nos cabe na condição de filhos de Deus.

Ao maço compete a representação de nossa vontade e de nossos instintos através da força, quer seja ela física, moral, mental ou espiritual. A vontade é o combustível que nos move na direção de nossos interesses e conquistas e é através da vontade representada pela ação de golpear o maço, é que descarregamos nossa energia na intenção de alcançar nossos objetivos.

Símbolo do trabalho (pelo seu dinamismo), do poder (pela sua força) e da perseverança (pela constância dos golpes) o maço é instrumento ativo na construção do homem novo a que todos nós desejamos alcançar.

Já o cinzel, ferramenta de corte e precisão, embora tão dinâmico quanto o maço, carrega consigo, entre tantos outros atributos a humildade e submissão ao aceitar-lhe os golpes, mostrando sua sabedoria e inteligência, pois conhece sua função na obra individual de construção e sabe que sozinho pouco pode fazer.

É elemento transformador, a partir do momento em que recebe, concentra e dirige, numa condução guiada e inteligente, a força que lhe é disparada. É mecanismo transformador, pois tem a capacidade de perceber o que precisa ser desbastado em nós, nossas imperfeições, fraquezas e vaidades.

Representa, ainda, a precisão, o discernimento e o amadurecimento do ser que deseja evoluir, pois ao mesmo tempo em que recebe do maço a força da vontade, aponta focado para os vícios e defeitos que precisam ser retirados de nós a golpes sucessivos de trabalho consciente na busca do aprimoramento moral.

Maço e cinzel, símbolo do equilíbrio, trabalham juntos, cada um oferecendo o que tem de melhor, em proveito de um objetivo comum. Parecem saber que sozinhos pouco ou nada podem fazer, mas que unidos são fortes apresentam resultados excepcionais. Assim deve ser conosco na vida diária: buscar o equilíbrio, a ajuda mútua e a união de esforços para nossa evolução espiritual e de nossos irmãos.