A Câmara de Reflexões

Todo profano ao ser iniciado na Ordem Maçônica passa momentos dentro da Câmara de Reflexões. Como o próprio nome orienta, trata-se de uma sala especial e isolada onde o candidato a aprendiz é colocado e convidado a refletir. Nesse ambiente que se apresenta desprovido de luminosidade mediana, suas paredes são negras e nele encontram-se diversos objetos, dos quais apenas uma mesa e uma cadeira nos são triviais. Todos os demais foram colocados com a intenção de fazer-nos pensar no porquê estamos ali e nossa relação com cada peça material que se encontra à disposição de nosso olhar.

Lá dentro, entre tantos outros objetos, nos deparamos com a representação de um crânio humano o que nos faz lembrar da inconstância da vida. E mais, se, por um lado o ambiente escuro faz alusão à nossa cegueira moral, por outro lado, a singela luminosidade que permite-nos enxergar o ambiente representa os acanhados conhecimentos adquiridos por nós nessa oportunidade enquanto encarnados. Leva-nos, ainda, a pensar que a vida na Terra é apenas uma fração de tempo se comparada a eternidade que espera o espírito no seu regresso.

O anagrama inscrito nas paredes: VITRIOL, convida-nos a irmos além das aparências rasas que o mundo oferece para irmos no interior de nós mesmos buscarmos com sabedoria o discernimento espiritual e moral que está a nossa disposição. O testamento, sobre a mesa, aguardando nossas respostas e assinatura, lembra-nos dos nossos deveres.

Na Câmara de Reflexões, fazemos uma viagem introspectiva onde, de forma natural, somos levados a pensar nos valores espirituais, nas obrigações morais e na dualidade vida e morte. Aliás, antes mesmo de nela adentrarmos temos nossos pertences metálicos retirados, símbolo de que não os trouxemos ao mundo e não os levaremos conosco quando aqui não mais estivermos.

A Câmara de Reflexões representa um momento introspectivo e singular na vida de cada iniciado, onde podemos encontrar em nosso íntimo os verdadeiros valores, os que queremos mudar e os que devemos seguir, valores esses que já se encontram dentro nós, aguardando apenas nosso sincero desejo e vontade ativa para desabrocharem nessa nova realidade a qual adentramos. A Câmara representa uma transição de estágio no nosso aprimoramento como ser humano, passamos por uma espécie de morte para nos regenerarmos, ou simplesmente, renascermos sob a luz do conhecimento e da fraternidade.

Uma sala pequena, sem janelas, escura, desprovida de conforto, entretanto repleta de símbolos e significados. Nela permanecemos breves instantes, porém, certamente, quem sai de lá já não é mais o mesmo que que por ela adentrou.